Faça sua doação

V Conferência Internacional Ciência e Fé marcada por grandes ensinamentos

Área de Conteúdo

V Conferência Internacional Ciência e Fé marcada por grandes ensinamentos

V Conferência Internacional Ciência e Fé marcada por grandes ensinamentos

Manhã de sábado, 05 de maio, teve início à V Conferência Internacional Ciência e Fé – Por que a Bíblia tem comprovação científica? E respondendo a essa indagação, o professor Antônio Delson, primeiro palestrante do dia, foi enfático: “Porque a sua verdade supera a verdade científica, mas o positivismo lógico é a base da verdade científica que limita aos sentidos tudo que se pode conhecer. Com base nisso, não podemos explicar, por exemplo, a encarnação de Cristo, historicamente sim, mas não tem como comprovar cientificamente”.
De forma clara e objetiva, o professor Delson dividiu a verdade em categorias que são: verdade popular – categoria simples, verdade científica – categoria complexa da verdade e a verdade Bíblica – categoria ramificada. “A ciência vai evoluir na busca do conhecimento, mas as Escrituras continuarão atuais e mostrando uma verdade mais abrangente que estamos sempre buscando. Ela vai continuar reproduzindo ramos de verdades. O universo é cristocênico, porque a criação foi um ato da sabedoria que é maior que a técnica e a ciência”.
Em seguida o físico Gerald Schroeder destacou para a sua palestra sobre reprogramar o cérebro para a felicidade, sobre o efeito da gratidão. “Se lembre constantemente do bem, com gratidão. Deus nos diz que devemos nos lembrar e ter gratidão a tudo aquilo que Ele fez e o que as pessoas também fizeram para nós. Pense nas coisas que foram excelentes e dignas de serem aplaudidas e isso não se resume somente a Deus. Foque no bem e seja grato, assim o seu cérebro será intoxicado com oxitocina, o hormônio do amor, porque Deus não te engana e é impressionante como esse hormônio age, então use, não o deixe parada. Sorrir te leva a sentir-se bem – Sorria!”.
Físico e bispo Robson Rodovalho deu seguimento à palestra e em dois momentos de sua participação falou sobre a cientificidade da fé, mostrando que a Bíblia pode se tornar um livro científico. “A dificuldade de termos a nossa fé, a espiritualidade, a religiosidade ou a Bíblia com o viés científico é porque só pode ser considerado científico aquilo que passa pelo crivo do métodos científico e para isso, qualquer fenômeno precisa, primeiro, ser considerado um fenômeno e se de fato for um fenômeno e for sujeito a um método científico tem que ser repetido várias vezes. Por causa da inversão que Jesus fez de valores, conceitos, princípios nós chegamos aonde chegamos. A maior longevidade com a maior qualidade de vida ao ser humano,  acima de tudo e de todos”.
Destacando dez razões pelas quais o Novo Testamento tem credibilidade comprovada com viés científico, não submetido aos métodos científicos, ma a certos critérios da arqueologia, da história Rodovalho pontuou.”Ainda que a mente humana demanda lógica, coerência, o ser humano não quer que a fé sobrepuja a inteligência e não precisa disso,  porque a verdade e a revelação de Deus é tão maior que é capaz de satisfazer a mente, as curiosidades e ir além porque Deus não precisa de uma fé ignorante. O cristianismo passou pelo crivo da verdade e isso se deve aos primeiros apóstolos que pagaram um preço de vida e de morte. E esse mesmo cristianismo inverteu a lógica que existia, o domínio do forte, mas mostrou Jesus que prevaleceu mesmo sendo fraco, mostrando que o perdão é mais forte que o ódio. Jesus alinhou o pacote de valores e os colocou no devido lugar”.
Dando seguimento, o pastor americano Pepe Ramnath falou sobre a aparição física de Jesus de acordo com relatos do historiador Tácito, comprovando coisas que aconteceram com o Messias, uma pessoa baixa e escura, que não tinha nenhuma beleza, mas que ao abrir a sua boca, confundiu o mundo inteiro. “Esse homem preenche os critérios de um homem inteligente e quando abre a sua boca o mundo inteiro começa a tremer.Ele era um homem incrível. Até esse dia já existiu muitas comprovações de suas ideias. Nero e Constantino decidiram descrever as pessoas que seguiam a Jesus e eles deram a essas pessoas o nome de cristãos, mas esse é um nome muito pobre para descrever quem somos, porque isso nos limita.  Mas as pessoas perecem por falta de conhecimento. Se estamos operando na frequência errada, nós temos os resultados errados, porque se nós louvarmos em espírito e não em verdade, não adianta, porque Deus só vai receber de você aquilo que Ele te receitou”, pontuou.
Confira fotos:

Crédito das fotos: Gabriel de Souza
 

Compartilhe:
X
Angelo Rocha Desenvolvimento WordPress