Nátaly de Sá Almeida  vive uma nova história de milagre e impacto em meio à transformação gerada pela unção de Deus. Tendo uma vida marcada por badalação, festas e pessoas conhecidas no meio secular, na cidade do Rio de Janeiro, a jovem vivenciava um grande vazio existencial. Até que ao mudar para Brasília, recebeu um convite para conhecer o Ministério Sara Nosa Terra.”Cheguei à Sara Nossa Terra em 2015, logo que me mudei para Brasília. Fui à igreja por meio de uma amiga de uma amiga minha. Ela era líder de célula e convidou esta amiga que ficou super empolgada e fez o Revisão e assim surgiu uma oportunidade de eu ir também, mas de certa forma fui com o coração fechado e nada mudou em minha vida. Tudo que vi e senti lá achava que não era para mim. Mas depois do Revisão, comecei a refletir. Me vi uma pessoa sem perspectiva, não tinha sonho, trazia somente desgosto para minha família e não queria estudar. Somente queria saber de farra”, lembra.
Nátaly estava triste consigo mesma, uma vez que não queria a vida que levava.”Eu era  uma pessoa sem sonhos e perspectivas, mas mesmo assim, em 2017 tomei a decisão de começar a frequentar a igreja e assim, também decidi participar do Revisão de Vidas pela segunda vez, mas desta vez com vontade. Verdadeiramente, foi a melhor escolha da minha vida, pois lá eu descobri o que nasci para fazer, quem sou e o  que tenho. Descobri a minha identidade em Cristo. Todos os sonhos e metas que um dia eu sonhei, foram transformadas no Revisão”, completa.
Hoje, sendo uma líder de células no Arena, a estudante enfatiza que vivia um vazio mesmo estando cercada de pessoas e badalações.”Sou carioca e morei no Rio até 2015. Lá eu tinha uma vida de festas e farras porque era organizadora de festas naquela época. Tinha um namoradinho que era meio “famosinho”, mas era muito agressivo e obsessivo. Inclusive, eu tinha muitas marcas emocionais, estudava nos melhores colégios. Contudo, era muita pressão e eu acabei reprovando. Eu saia sexta e voltava domingo. Eu não queria saber de casa, não tinha respeito pelos meus pais. Bebia e fumava todas as vezes e isto começou a fazer parte de minha semana, da rotina mesmo. Ia para os bailes, festas-  era uma pessoa totalmente vazia. Tentava suprir todos os desejos do meu coração em homens e festas, bebidas, amizades e relacionamentos abusivos”, acentua.
Nátaly agradece por estar viva e debaixo da proteção do Senhor. ” Tenho certeza de que se continuasse a morar no Rio, provavelmente eu nem estaria aqui, então provavelmente, um dos primeiros milagres que passei foi ter vindo para Brasília. No começo, eu não entendia muito bem, mas hoje eu enxergo a mão de Deus que fez muitos milagres

em minha família. Meu irmão e mãe são convertidos, meu pai está no processo. O maior milagre que passei foi na minha própria vida, tive alguns casos de crise, pequenos casos de depressão e vivi muito sozinha, ansiosa, mas quando conheci a verdadeira felicidade em Deus, foi o meu maior milagre”, comemora.
Por fim, a líder define que vivencia uma ponte que a leva para o caminho. “Fiquei um pouco relutante para abrir minha célula, pois pensava assim:-  Meu Deus, como vou ajudar uma pessoa, sendo que minha vida é uma bagunça e não sou curada ainda em várias áreas. Com isso, em cada célula que eu ministrava – eu era gradativamente curada e o mesmo para os atendimentos. E ser líder é você fazer  com que as pessoas sintam e vivam à Presença de Deus; é você ser canal do Espírito Santo para que ocorra a transformação e renovo diariamente. Ser líder é poder amar, ter empatia pela pessoas, sem julgamentos. Eu era completamente inconstante, este era meu maior defeito. E hoje em dia posso falar que não existe uma ferida que não possa ser curada. E levar a cura para outras pessoas. Isto reflete a importância de abrir uma célula. Pois é um lugar que podemos contar a história para às pessoas e nos libertarmos. Para que a cura venha, você precisa contar e expor. Hoje, eu conto meu testemunho abertamente, sendo do que eu era, fui e fiz. Pois por meio de minha trajetória, vidas serão impactadas. Existe sim, um caminho e oportunidade”, finaliza.