Notícias

Notícias Mundo + Notícias Sara Nossa Terra Notícias Testemunhos

Bispo Robson Rodovalho ministrou no culto de terça sobre maldições insensatas

No culto de terça- feira, 29, na Embaixada Sara Nossa Terra, o Bispo Robson Rodovalho em momento de oração declarou que todas as guerras espirituais estão debaixo da palavra de Deus. Também aconteceu uma comemoração surpresa referente ao aniversário da bispa Priscila Rodovalho Cunha.

Na explanação da palavra, com base no livro de 1 Samuel 14: 24-45, o preletor, na última semana do mês,  ministrou sobre maldições insensatas. Onde descreveu a história de um pai e filho que estavam em batalha. O rei Saul e o filho Jônatas estavam no meio de uma guerra, contudo, Saul era religioso e não sabia discernir. “ A chave para avançar é a sabedoria e não a religiosidade. Saul não tinha conexão direta com Deus e era medroso – durante a guerra ele implantou um jejum e fez um altar depois das lutas. Ou seja, a sua oração tem que ser antes da guerra. Busque ao Senhor antes da batalha. O exército de Saul ficou sem forças para lutar, quer dizer, a maldição insensata dele foi proibir os soldados de comerem durante a guerra. Se você não tem brecha, a maldição não atingirá sua vida. Portanto, não quebre suas campanhas”, completou.

Ao prosseguir a palavra, o Bispo acentuou que Davi pecava, mas arrependia-se, pois na vida dele havia verdade. “  Cuidado com as sentenças que você declara para sua família. Saul foi um rei religioso e inseguro que não construiu o altar antes da guerra e sim no dia da batalha. Todo sacrifício demanda dor. Quantos têm suas batalhas e irão construir seus Altares de Sacrifícios? Quais são suas guerras? Não acredite em maldições insensatas, pois não têm poder para se cumprirem. Jônatas era inocente e fez tudo certo. Ande certo com Deus e Ele fará milagres em sua vida. O Senhor guardará seus sentimentos e não haverá legalidades. O Altar do Sacrifício é para que as batalhas sejam vencidas e conquistadas no tempo certo”, finalizou.

Crédito das fotos: Grabiel de Souza

Texto: Estagiário Bruno Faria sob supervisão de Jeane Magalhães

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

WordPress Image Lightbox Plugin