Ausência de pais aumenta chances de filho fumar e beber álcool na infância, diz estudo – Sara Nossa Terra Doe agora

Ausência de pais aumenta chances de filho fumar e beber álcool na infância, diz estudo

01ago2014-um-crianca-em-uma-calcada-depois-de-colocar-um-cigarro-apagado-na-boca-dela-que-ela-pegou-do-chao-em-xangai-na-china-1406909220172_615x300Crianças que tiveram pais ausentes nos primeiros meses de vida – seja por morte ou separação do casal – correm mais risco de fumar e consumir bebidas alcoólicas antes da adolescência, de acordo com um novo estudo liderado por cientistas doUniversity College London (Reino Unido).

Estudos anteriores já sugeriam que adversidades durante a infância têm impacto negativo na saúde física e mental quando os indivíduos chegam à idade adulta. A ausência dos pais também já havia sido ligada a um risco aumentado de uso de álcool e tabaco na adolescência e na idade adulta.

Ainda não havia sido esclarecido, entretanto, até que ponto a ausência dos pais na primeira infância era um fator de risco para o início ainda mais precoce de comportamentos pouco saudáveis. Não se sabia se os impactos na saúde da criança são diferentes quando a ausência é do pai ou da mãe, ou se variam segundo o sexo da criança, ou com a idade da perda. A “ausência parental” foi definida como a “perda” do pai ou da mãe antes de a criança completar 7 anos.

Os cientistas obtiveram dados de quase 11 mil crianças e constataram que mais de 25% delas haviam sofrido a “perda” de um dos pais até os 7 anos. A análise dos dados mostrou que, entre as crianças que tiveram pais ausentes antes dessa idade,a probabilidade de fumar antes dos 11 anos foi 100% maior, enquanto a probabilidade de beber álcool foi 46% maior.

A maior parte das crianças não teve contato com o fumo até os 11 anos. Entre os que experimentaram, a maioria era de meninos.

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Voltar pra igrejas

Faça um comentário

X
Evento Teste