Mensagens

DEIXE OS ERROS PARA TRÁS, PERDOE!

No livro de Gênesis encontramos a história de Caim e Abel. Deus interveio na vida de Caim depois dele ter matado seu irmão Abel. Em Gênesis 4:12, lemos:
“Quando lavrares o solo, ele não te dará a sua força. Serás fugitivo e errante pela terra”. O que Deus estava falando? “Caim, o castigo que eu te dou é o castigo da
solidão, de não ter raízes”.

Em Gênesis 2, Deus fala que não é bom que o homem esteja só. Logo depois, no capítulo 4, Deus impõe sobre Caim seu castigo e este entra em desespero porque
tem medo que as pessoas o encontrem e o matem. As pessoas pensariam que, se ele matou o irmão, poderiam matá-lo, pois era a lei da época. Abriu-se uma brecha na vida de Caim. Lemos no versículo 17 o que Caim fez para reparar essa brecha: “E coabitou Caim com sua mulher e ela concebeu e deu à luz a Enoque. Caim edificou uma cidade”. Por que Caim edificou uma cidade? Ele edificou uma cidade em busca de segurança, pelo medo da maldição de que ele seria errante sobre a terra. Ser errante significa não ter raízes, não ter vínculos permanentes.

Eu tenho ficado impressionada ao ver que muitos de nós, que já conhecem Jesus, que estão há muito tempo na igreja frequentando os cultos, estão vivendo a
mesma situação de Caim. São pessoas errantes que não conseguem formar vínculos. Caim construiu uma cidade imaginando que teria proteção, mas o que poderia acontecer? Caim atraiu para essa cidade pessoas iguais a ele.

Nos nossos relacionamentos temos a tendência de atrair pessoas parecidas conosco. Portanto, cuidado quando você critica seu noivo, sua noiva, seu namorado, sua namorada, seu marido, sua esposa, ou seus filhos porque ninguém se aproxima de ninguém à toa. Atraímos e somos atraídos por aqueles que são iguais a nós.

Por que ansiamos tanto por comunhão e não somos capazes de manter nossos relacionamentos? Porque muitas vezes nos tornamos como Caim — errantes na
vida. Nos tornamos pessoas solitárias até mesmo dentro de uma igreja grande. Alguns dizem que preferem as igrejas pequenas. Quero que você saiba que o problema não é a igreja ser grande ou pequena. O problema não é a igreja. O problema é a dificuldade de se vincular.

Se você vem somente aos cultos, vai ficar muito difícil criar raízes. As células, os Encontros e demais atividades, são promovidos para ajudá-lo a se vincular. Toda via, estar perto do outro, desperta conflitos. Deus sabe disso, pois Ele fez o homem e o acompanha desde o início. Dois irmãos, Caim e Abel, não conseguiram viver juntos numa família. É um desafio. O maior desafio do ser humano é servir a Deus e conseguir amar o seu próximo. Eu quero te desafiar a não parar onde você está. Para alargar suas fronteiras emocionais você não pode parar. Para manter comunhão e criar vínculos a fim de  não ser um errante é preciso perdoar.

Sobre o colunista

Nascida em Goiânia, Lúcia converteu-se ao cristianismo aos 17 anos. Mesmo diante de uma carreira promissora como jogadora de vôlei, ela decidiu se dedicar à missão de levar a Palavra ao mundo, de conquistar almas para a vida em Jesus. Aos 19 anos, casou-se com Robson Rodovalho e juntos fundaram a Igreja Sara Nossa Terra. Hoje sãos bispos e presidentes mundiais do ministério evangélico. Teóloga e doutora em Filosofia, formou-se também em Psicologia pela Universidade Católica de Brasília, especializando-se em terapia familiar. É fundadora do mais expressivo ministério liderado pela Sara Nossa Terra, o Arena Jovem. O projeto nasceu em 2003, em Brasília, quando a Bispa Lúcia Rodovalho assumiu o desafio de mobilizar a atenção de milhares de jovens e apresentar-lhes a vida em Jesus Cristo - um caminho que levaria à transformação de suas vidas. Das habilidades que lhes são inatas e das que construiu ao longo da vida com sua experiência profissional, Bispa Lúcia considera sua capacidade de ouvir e entender o outro como o aprendizado mais relevante e decisivo para sua missão de evangelização. Quanto ao foco de seu trabalho, estruturado o projeto Arena Jovem em todo o Brasil, tem se dedicado principalmente ao tema família. Para a Bispa Lúcia Rodovalho, o amor, a base de uma família, germina à luz do respeito, do diálogo e do perdão. E a família é a base sobre a qual se constrói um futuro de realizações.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

WordPress Image Lightbox Plugin