Faça sua doação

Kelsen Nunes e sua esposa perderam a filha, mas não deixaram a fé acabar

Área de Conteúdo

Kelsen Nunes e sua esposa perderam a filha, mas não deixaram a fé acabar

Kelsen Nunes e sua esposa perderam a filha, mas não deixaram a fé acabar

429270_345039822184481_2050590614_nMuitas pessoas sonham em construir uma família e servir a Deus. Assim ocorreu com o casal Kelsen Nunes e Cintia Rocha, que sonhavam  ter um filho e dedicar seu tempo diante de Deus, sem deixar o ministério em segundo plano. Após um tempo de espera, veio a gestação de Elisa. “Todos os exames tinham os resultados normais e com 34 semanas tivemos uma surpresa, o fluxo de passagem de nutrientes ao bebê pelo cordão umbilical estava comprometido”, diz Kelsen.

Começava ali um grande momento de dificuldade. No dia seguinte, Cintia precisou fazer um parto de emergência, para que a criança não sofresse.  A pequena Elisa veio ao mundo prematura e após o parto teve três paradas respiratórias. Para Kelsen os minutos tornaram-se horas de agonia e ele erguia as mãos ministrando fôlego de vida à sua filha. O bebê estava muito roxo e a equipe médica não sabia como reanimá-la.

Depois de um tempo, Elisa voltou a respirar e em 78 horas começou a desinchar. Mas, ela tinha traços diferentes de qualquer outro bebê e os médicos passaram a achar que ela possuía alguma síndrome. Exames foram realizados para diagnosticar o que seria e foi necessário colocá-la em uma incubadora. Seus pais ficaram muito assustados, mas não deixaram de acreditar em Deus.

Mesmo sem ir para casa, recebia muitas visitas da família, dos líderes da Sara Nossa Terra, pastores e amigos de seus pais. “Quando estava com ela, amava passar a mão em sua cabeça e ministrar saúde, alegria e força para superar aqueles dias devido sua prematuridade. Era muito bom passar os meus dedos em seus pés deixando-o com cócegas”, lembra o pai.

O tempo foi passando e o quadro da criança não melhorava, tornava-se cada vez mais instável. Mais exames foram realizados e uma pneumonia piorava tudo. Por sua falta de respiração, tiveram que entubá-la. O choro era inevitável, Kelsen e Cintia perdiam seu chão, desejavam mais que tudo sair daquela situação e levar sua filha para casa. Oravam sem cessar em todos os lugares e pediam a Deus que realizasse o impossível.

Muitas semanas se passaram e em um momento de oração, Deus falou para Cíntia que a vida de sua pequena Elisa seria a melhor oferta para Ele. Depois disso, entregou completamente nas mãos do Senhor e não contou ao marido, deixou que Deus falasse com ele também. “Eu não queria aceitar, estava relutando contra tudo aquilo. Até que ela necessitou fazer mais um exame, que detectou um grave problema em seu coração. A cirurgia era muito delicada e nem mesmo um adulto conseguiria suportá-la, muito menos um bebê prematuro”, lembra Kelsen.

Ainda que tudo parecesse não ter fim, não deixavam de ter fé. Era tamanha, que não sabiam mais de onde vinha tanta força. Mas os especialistas pediram que todos se preparassem para o dia de Elisa partir.

Com 53 dias de vida, a pior notícia chegou. A princesa de Kelsen e Cintia não havia resistido e estava nos braços do pai. Foi muito difícil, mas em nenhum momento o casal deixou de clamar o nome do Senhor e acreditar em sua soberania. “Acredito que nosso maior bem para ofertar não é o que podemos e sim o que Deus pede. A nossa filha foi a nossa melhor oferta”, declararam.408805_345039798851150_453478927_n

Em tão pouco tempo, a pequena criança ensinou aos seus pais grandes coisas. Trouxe-lhes o caminho da vitória e o valor da fé imbátivel. “Entendi que meus sonhos e meus objetivos precisam passar primeiro por Ele”. 

Hoje, Kelsen é baterista da banda Arena Louvor e diácono junto a sua esposa, na Sara Nossa Terra da Ceilândia. Por meio de seu trabalho de evangelização, resgata muitas almas e anuncia a boa nova do Reino. Com a banda, transmite muitas mensagens de fé e força para aqueles que, um dia, assim como ele, passaram por momentos difíceis.

 

Compartilhe:
X
Angelo Rocha Desenvolvimento WordPress