Faça sua doação

Festa dos Tabernáculos, em Brasília, é marcada por fortes ministrações e aniversário de 23 anos da Sara Nossa Terra

Área de Conteúdo

Festa dos Tabernáculos, em Brasília, é marcada por fortes ministrações e aniversário de 23 anos da Sara Nossa Terra

Festa dos Tabernáculos, em Brasília, é marcada por fortes ministrações e aniversário de 23 anos da Sara Nossa Terra

 A primeira pregação da Festa dos Tabernáculos nesta sexta-feira, 03, foi realizada pelo pastor Cléber Barros que destacou sobre a importância de entender o significado do Tabernáculo. “Tabernacular é estar dentro de uma realidade de arrependimento. Quando você separa a sua vida para entender o que é Tabernáculo, nunca lhe faltará nada”, disse.

Para a explanação da Palavra, o preletor abordou algumas referências Bíblicas, entre elas o livro de Levíticos 23:33. Destacou que Deus deu a Lei a Moisés para que ele se arrependesse e pagasse o prejuízo quatro vezes mais. “Deus deu inspiração a Moisés para entrar no lugar de arrependimento e isso significa entrar no santo lugar”.

Profetizando sobre a vida dos presentes, Pastor Cléber disse que é preciso ter uma vida de arrependimento, para não viver apenas de promessas. “Quando você está no santíssimo lugar, você não faz mais nada, mas o que deve ser feito em sua vida se realiza por si só. Que o Espírito possa te respaldar em todos os sentidos. Que você possa discernir o propósito de Deus em sua vida”.

Disse ainda que Tabernáculo também quer dizer não ficar no mesmo lugar. “Você tem que passar pelo altar de bronze, pelo santo lugar e pelo santíssimo. Em Moisés, o Tabernáculo foi transição, que manifestava sinais de Deus, porque a revelação de Deus é progressiva. Faça da sua casa, a morada do altíssimo”.

Em seguida, foi a vez da Bispa Lúcia Rodovalho profetizar palavras de fé sobre a vida dos presentes. Em sua palavra falou sobre a Festa de Pentecostes que era simbolizada pelo número 50, a contar depois da Páscoa. “Esse momento foi marcado pelo recebimento das tábuas que Deus deu a Moisés que era o Velho Testamento. Nesse dia, Deus estabeleceu Israel como o povo seu”.

Na pregação, Bispa Lúcia destacou o livro de Deuteronômio 16:16-17 que fala que três vezes ao ano, todo homem aparecia em Jerusalém perante Deus. Eles viam de todos os lugares para passar a Páscoa e não iam embora, mas esperavam 50 dias para celebrar o Pentecostes.

Com uma breve explicação, disse que Jesus deu uma ordem aos seus discípulos para não se preocuparem após sua ascensão aos céus, pois o Espírito Santo faria presença na vida dos filhos seus. “Quando Jesus promete o consolador, Ele diz que não os deixaria órfãos. Tudo que Jesus faz é de maneira perfeita. Ele foi ao Pai, mas deixou a terceira pessoa da trindade santa que é o Espírito Santo”.

Explicou ainda que Pentecostes é uma festa de alegria em que Deus estava revelando Jesus como um Messias perfeito, completo, inteiro e desafiava o homem a ser como Ele. “Em Pentecostes recebemos o poder do Espírito e nos tornamos maduros. Hoje é o dia que Jesus faz expiação e perdão pelos seus pecados. Os 50 dias desde a Páscoa até pentecostes significa o período necessário para você assumir uma liberdade conquistada. Em pentecostes você é libertado para servir. A festa das primícias é o anúncio que é hora da colheita. Não é por acaso que nesse momento você recebe o Espírito Santo, o poder de Deus para realizar seu chamado”.

Bispo Robson Rodovalho foi o último pregador do dia, mas antes de entrar na ministração da Palavra, realizou um momento de intensa oração. Era bonito ver vidas sendo impactadas naquele momento. E para festejar os 23 anos da Sara Nossa Terra, comemorado no mês de Abril,  os presidentes do Ministério agradeceram a todos por fazerem parte desta grande família.

Já na abordagem da Palavra, Bispo Rodovalho observou que muitas pessoas não entendem porque Jesus fala de Páscoa e Ceia. “Páscoa era a festa da libertação dos judeus no Egito. Santa Ceia foi a solenidade que Jesus instituiu para substituir a Páscoa. A partir da Páscoa,  Ele estabelece uma nova liturgia, que é o fundamento da igreja”.

Disse ainda que a Santa Ceia é a Páscoa do cristão, um dos sacramentos que a igreja promove. “São solenidades especiais aonde se celebra as verdades memoriais do Evangelho”. Para referenciar a ministração, destacou o livro de Lucas 22:15. Diante da abordagem enfatizou que as grandes festas do calendário judaico eram a Páscoa que significa a libertação, Pentecostes que se refere aos primeiros frutos e Tabernáculo a plenitude dos frutos.

Bispo Rodovalho indagou ainda a multidão sobre o que é aprendido com a Páscoa e profetizando sobre a vida de todos  disse: “Você vai entender que essa festa é libertação, um movimento profético e hoje você vai sair de todas as influências de Faraó sobra a sua vida. Acabou qualquer interferência de Faraó. Seu calendário começa na libertação, enquanto você é escravo você não é livre”.

Destacou ainda que na Santa Ceia o pão simboliza a aliança com a família e citou três elementos da Páscoa. “O sangue do cordeiro protege a sua casa e sua família. A Páscoa é a preparação para te levar a um novo território de fé, de conquista e de vitória. Quem celebra a Páscoa se move e vai para frente. O cajado apascenta e a espada fere. É preciso lombo coberto, sandália nos pés e cajado nas mãos”, finalizou. Logo após as ministrações, as pessoas presentes puderam passar pelo “Tabernáculo” construído como simbolismo no Ginásio Arena.

Confira fotos

Fotógrafo: Willy de Souza

Compartilhe:
X
Angelo Rocha Desenvolvimento WordPress