Faça sua doação

Especial Dia das Mães: Ela não queria ser mãe e foi surpreendida com o teste positivo

Área de Conteúdo

Especial Dia das Mães: Ela não queria ser mãe e foi surpreendida com o teste positivo

Especial Dia das Mães: Ela não queria ser mãe e foi surpreendida com o teste positivo

IMG_1828Ser mãe nem sempre é um desejo de toda mulher, mas é algo que toca até mesmo quem não planejava. Com as multifunções dadas as mulheres, programar-se para ter um filho tem ficado cada vez mais em segundo plano, mas que por um acaso, pode acabar se tornando uma realidade mais presente, que futura. Foi assim que aconteceu com a administradora Elizângela Brants, 27 anos. Com planos de estudos e para a vida profissional, foi surpreendida pela notícia de que seria mãe.  “Fiquei sabendo da minha gravidez pela insistência de uma amiga, que afirmava que eu estava grávida, mesmo com toda a minha relutância. Ela me levou até uma farmácia e lá fiz um teste, deu positivo e mesmo assim, eu não acreditei. Decidi que faria um exame de laboratório, mais detalhado, na confiança de que ele daria negativo”, conta.

Quando fez o teste, Elizângela ficou sem reação, não sabia se chorava ou se sorria. Chegou a questionar a Deus, a dizer que tinha outros projetos e que neles não estavam filhos. Preocupada com a reação da família e do seu marido, viu que ele ficou muito feliz com a notícia, aliás, muito mais que ela. “Ele recebeu a criança com grande alegria, mas mesmo com o apoio da família e dele, eu não queria aceitar. Não pegava na barriga, não me sentia feliz, animada”. Elizângela teve essa reação até os 3 meses de gravidez quando fez a primeira ecografia e viu o bebê formado “Ali, o sentimento materno falou mais alto. Comecei a aceitar a criança e toda aquela situação.”

Embora, haja todo um processo de mudança, ser mãe é um dom de Deus e um dos dons mais incríveis dados ao ser humano. Poder gerar uma vida, junto ao Criador e ser responsável por cada nova fase é divino. Depois de todo o choque, muitas mães passam por todo um instante de negação, e não aceitação da criança, mas com o passar do tempo e o crescimento de uma nova vida, o sentimento muda e tudo aquilo que era aversão, se torna amor, paixão e carinho. “Hoje eu posso dizer, que depois de tudo o que aconteceu, eu sou completamente apaixonada pela minha filha. Estou com 24 semanas de gestação e mesmo sem saber como ela é, com quem ela se parecerá, oro por sua vida todos os dias. Converso com ela e sinto uma grande emoção quando ela mexe dentro de mim”, diz Elizângela.

Quando uma mulher assume o papel de mãe, agregado a ele acabam surgindo outros quando é tomada a decisão de formar uma família. Vem as atividades domésticas, cuidar e gerenciar um lar, ter a presença de um esposo, além dos cuidados com a gestação, como repouso, alimentação adequada e limites ao corpo. A necessidade de sair da casa dos pais também gera certa insegurança nessa nova fase, como conta Elizângela. “Foi como entrar em um universo totalmente desconhecido e novo. Tive que agregar as novas tarefas as minhas habituais e executar uma a uma, sem perder a qualidade. Foi como uma adaptação de realidade”, conta.

Compartilhe:
X
Angelo Rocha Desenvolvimento WordPress