Faça sua doação

Como é celebrado o Natal nas diferentes religiões?

Área de Conteúdo

Como é celebrado o Natal nas diferentes religiões?

Como é celebrado o Natal nas diferentes religiões?

Natal é tempo para deixar Cristo nascer em cada coraçãoÉ chegado o Natal, tempo de celebrar o nascimento de Jesus Cristo. Antigamente a data era celebrada em diferentes ocasiões, pois não se sabia com exatidão a data do nascimento de Jesus. A partir do século IV  quando a igreja Católica Apostólica Romana instituiu a comemoração, o dia 25 de dezembro passou a ser a data oficial.

A forma de celebrar e os ritos realizados na data mudam de acordo com cada religião. Em algumas partes do mundo, a data nem é comemorada. Para o protestantismo, o que vale comemorar é o significado do Natal. É necessário deixar Cristo nascer em cada coração, trazendo vida, cura, libertação e comunhão com Deus.

“O nascimento de Jesus foi celebrado pelos pastores que representam o povo (Lc 1:8-12), foi celebrado no mundo espiritual com os anjos louvando (Lc 1:12), celebrado pelos astros, a estrela no oriente, isto é pelo universo (Mt 2:2), e pela elite, os magos do oriente (Mt 2:1). “Pouco importa a data real do nascimento de Cristo, se foi em abril ou em outubro. O que importa é celebrarmos o nascimento do salvador do mundo”, afirma o pastor Silas Malafaia.

No protestantismo algumas simbologias são utilizadas, como a árvore de natal, luzes, presentes e a união da comunidade cristã nas igrejas para celebrar a data. Segundo o professor de história da Universidade de Brasília – UnB, Jaime de Almeida,  no Brasil, por muito tempo o Natal era uma festa mais voltada para as visitas às casas para apreciar os presépios. A árvore veio a partir de Martinho Lutero. “Os países que seguiram a reforma de Lutero adotaram temas folclóricos germânicos, como a árvore de natal e um personagem da Antiguidade, São Nicolau. Em países protestantes como a Holanda desenvolveu-se mais cedo a tendência de concentrar as atenções nas crianças da família e, com a prosperidade crescendo, a distribuição de presentes”.

Na Sara Nossa Terra, o Natal é celebrado com cultos especiais e apresentações que levam a reflexões sobre a importância do nascimento de Cristo. ” Essa é uma das datas mais importantes da cristandade. Se Jesus não tivesse nascido, ele não teria morrido e não teria se tornado o salvador de todos nós, o redentor de toda essa criação”, afirma Bispo Robson Rodovalho.

A SNT da Alemanha, este ano, está celebrando o Natal com gestos diferentes.  Devido o número de refugiados da Síria e Iraque, muitas crianças tem surgido pela cidade. “Nossa igreja decidiu abençoar as crianças de um acampamento da cidade com os tradicionais saquinhos de Natal. Com a mensagem “Deus ama você ” acompanhada de presentes e guloseimas típicas dessa época. Para nós imigrantes, a igreja mais do que nunca é o lugar onde compartilhamos amor e consolamos a ausência dos entes queridos da pátria amada”, afirma a pastora Mônica Reissenweber, SNT Pforzheim.

Bispo Henrique Guimarães, coordenador da SNT de Portugal e Europa, afirma que nessas localidades o Natal deixou de ter importância e que, muitas vezes, o Papai Noel e a troca de presentes tem muito mais valor. “A única instituição que poderá reverter este quadro dramático vivido pela Europa, com relação ao distanciamento de Deus só poderá ser mudado pela igreja de Jesus Cristo. Este é o nosso chamado e a nossa missão”.

Para os cristãos adeptos da religião Católica, o Natal é o aniversário do nascimento de Jesus Cristo. Segundo padre Luciano Carvalho, pároco da Área Pastoral São Francisco no Recanto das Emas/DF, a data é o acontecimento que originou o Cristianismo, onde Deus se fez homem e veio habitar entre nós. “Ser Cristão não é seguir uma doutrina, não é viver uma moral ou uma ética e sim viver a luz desta verdade: Deus veio na sua pobreza e simplicidade comunicar ao homem o Amor e a Paz”, disse. Como tradição, os fiéis costumam ir à igreja, antes da tradicional ceia, para a chamada “Missa do Galo”. As comemorações começam na véspera e se estendem até o dia 25 de dezembro. Outros simbolismos utilizados pelo catolicismo é a coroa do Advento, em preparação para a vinda do menino Jesus e o presépio, que é uma das representações de seu nascimento e procura resgatar a importância daquele momento.

Enquanto os cristãos comemoram em dezembro, os judeus celebram as festas de fim de ano em setembro, mas não reconhecem Jesus Cristo como Filho de Deus, logo, não comemoram seu nascimento.Neste período, eles realizam o Chanuká, ou a festa das Luzes. Ela representa a reinauguração do Grande Templo de Jerusalém, reconquistado pelos judeus após 3 anos de guerras. Quando foi retomado, o local estava cheio de imagens pagãs e sediava costumes profanos. Para purificá-lo, foi necessário acender diversas luzes. Por isso, o principal símbolo do Chanuká, que dura 8 dias, é a Menorá (candelabro judaico). As oito velas que o adornam são acesas, uma a cada dia, durante a festividade.

No islamismo, Cristo é considerado um profeta e mesmo possuindo relativa importância na religião, seu nascimento não é comemorado. As principais festas dos islâmicos são a Eid el-Fitr, celebração do desjejum realizada após o Ramadã e o Eid el-Adha, que marca o encerramento da peregrinação a Meca.

Compartilhe:
X
Angelo Rocha Desenvolvimento WordPress