Faça sua doação

Canais no YouTube enganam crianças com conteúdo violento

Área de Conteúdo

Canais no YouTube enganam crianças com conteúdo violento

Canais no YouTube enganam crianças com conteúdo violento

Com a intenção de disseminar conteúdo impróprio para crianças, criadores de conteúdo no YouTube estão envolvendo desenhos animados e personagens infantis em situação de violência.
O fenômeno, batizado como Elsagate – uma mistura de Elsa, da animação Frozen, e o escândalo Watergate do ex-presidente Richard Nixon – tem crescido em todo o mundo e preocupado pais e autoridades.
As produções envolvem tanto animações criadas com personagens famosos, como princesas e super-heróis, quanto live actions – nome utilizado para obras interpretadas por atores. E podem envolver aborto, espancamento, agulhas e sexo.
A maior dificuldade em assimilar o conteúdo de imediata é a forma como é difundida. A estudante Jessica Luiza, em entrevista ao O Dia, afirmou que se surpreendeu ao descobrir que seu irmão de 3 anos acessava este tipo de material.

 “Ele vai para o YouTube toda noite quando chega da escola. Volta e meia canta as músicas e pede para ver esses vídeos bizarros. Ele já chegou a tentar imitar, querer bater, assim como viu nos vídeos. E nossa mãe nunca havia percebido”, contou.

Outra estudante, Nathalia Reis, descobriu a polêmica por conta do Facebook. Segundo ela, seu cunhado de 4 anos também já teve contato com produções violentas. “Sempre fiquei incomodada. Tento levar ele para o ar livre, parques, mas ele tem medo de tudo. Pedi que a mãe dele ficasse de olho”.
Ela disse que as reações podem ser traumáticas. “Mães comentaram que os filhos assistiam esses vídeos e até choravam. Algumas se assustavam porque os filhos sabiam de onde vêm os bebês sem que elas nunca tivessem ensinado sobre isso. Crianças com medos e fobias. Foram vários relatos”, afirmou.
Professor e especialista, Márcio Gonçalves dá sua avaliação da motivação por trás deste conteúdo. “São produtores de conteúdo que não têm interesse em ganhar dinheiro. O objetivo é transmitir mensagem a quem assiste”.
“Os comentários provavelmente são escritos por adultos. A questão dos pedófilos é forte, uma comunidade que se protegem. Fica explícito que há relação com as redes de produção de conteúdo pedófilo e pornográfico”, disse.
O especialista acredita que a vigilância deve ser constante. “Essa infância conectada está tendo fácil acesso a conteúdos impróprios, que vão moldar sua personalidade”.
A psicológa Laura Calejon, que é doutora em Psicologia Escolar e Desenvolvimento Humano, também falou de outros traumas. “Há casos de crianças com graves problemas no desenvolvimento da linguagem, que chegam a ser confundidas com autistas, porque usaram tablet e celular demais e desde muito cedo”.
Fonte: Gospel Prime

Compartilhe:
X
Angelo Rocha Desenvolvimento WordPress