Notícias

Notícias Mundo + Notícias Sara Nossa Terra Notícias Testemunhos

“O objetivo da China é eliminar toda forma de religião”, denuncia padre

O padre que pede para ser chamado de “Paulo”, lidera uma igreja católica na província de Hebei. Falando à International Christian Concern, ONG que monitora a perseguição religiosa, está denunciando que “objetivo final do atual regime chinês é eliminar toda religião”.

Como prova, Paulo apontou para o “Regulamento Revisado sobre Assuntos Religiosos”, implementado em fevereiro pelo Partido Comunista da China e que resultou no fechamento de igrejas, prisão de fiéis, Bíblias sendo queimadas e estudantes sendo forçados a assinar documentos renunciando à sua fé.

Não foram apenas os cristãos que sofreram retaliações. Milhares de muçulmanos foram enviados para os chamados “campos de reeducação”, onde realizam trabalhos forçados e só podem sair após renunciaram à sua religião, segundo relatos.

Padre Paulo disse estar inconformado com o acordo celebrado entre o Vaticano e o governo comunista. Ele explica que os funcionários estatais estão exigindo que os católicos restrinjam suas atividades religiosas “para proteger os interesses do governo”.

O controverso acordo do Vaticano em questão permite que o governo chinês selecione seus próprios candidatos a bispo. A Santa Sé anunciou em setembro que chegou a um acordo provisório que acabaria com sete décadas de conflito com a China.  Algumas lideranças católicas acreditam que o Vaticano não deveria legitimar as ações de um regime ateu.

Traição aos cristãos

O pastor Bob Fu, presidente da missão evangélica China Aid, acrescentou que o acordo terá consequências sobre todos os que professam o cristianismo no país. “Trata-se de uma traição aos milhões de cristãos perseguidos na China e da Igreja católica global”.

Para ele, “Isso pode ser uma repetição da Alemanha de Hitler na década de 1940, quando a igreja estatal alemã consentiu com a perseguição e massacrou milhões de judeus”. “Como o Vaticano pode responder em boa consciência a este acordo enquanto o Partido Comunista da China acaba de lançar uma guerra secreta prometendo acabar com católicos e protestantes que considera ilegais?”, questiona Fu.

O papa Francisco, no entanto, prometeu assumir total responsabilidade pelo movimento, chegando a dizer que recebeu “sinais de Deus” que o ajudaram a decidir pela assinatura do acordo provisório. Ainda assim, o líder católico admitiu que “ambos os lados [perderão] algo”.

Fonte: Gospel Prime

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

WordPress Image Lightbox Plugin