Notícias

Notícias Mundo + Notícias Sara Nossa Terra Notícias Testemunhos

Novo diretor da Pixar é cristão e admite que a fé influencia seu trabalho

O novo diretor de criação da Pixar, o famoso estúdio de animação responsável por Toy StoryProcurando NemoOs Incríveis e outros clássicos, é cristão. , que trabalha na empresa desde Toy Story e assume o cargo depois do afastamento de John Lasseter, se diz inspirado por sua fé, mas deixa claro que não pretende usar o seu trabalho para fazer pregações.

Docter, que completa 50 anos em outubro, é casado e pai de um casal de filhos. Ele dirigiu Monstros S.A.Up! – Altas Aventuras e Divertida Mente, recebendo o Oscar de Melhor Animação em 2009 e 2015 pelos dois últimos filmes.

Em uma entrevista à revista Radix em 1999, Docter contou que a conexão entre a sua fé e o seu trabalho se deu pouco a pouco. “Anos atrás, na primeira vez em que falei em uma igreja, estava um pouco nervoso ao falar sobre o cristianismo e o meu trabalho. As coisas ainda não se encaixavam”, confessou.

“Eu peço a ajuda de Deus e definitivamente isso afetou o que faço. Isso me ajudou a me acalmar e a me concentrar. Houve momentos em que fiquei muito estressado com o que eu estava fazendo”, relembrou Docter. “Hoje eu só digo: ‘Deus, me ajude com isso’. Isso realmente ajuda você a manter as coisas em perspectiva, não apenas no trabalho, mas nos relacionamentos”.

Os relacionamentos são uma parte fundamental no trabalho de Docter. “Esses projetos de animação duram três ou quatro anos. É muito difícil fazer isso sem ter um bom relacionamento com as pessoas envolvidas”, contou.

“Como cristão, ser pai me fez ser uma pessoa ainda mais maravilhada com toda a criação, ao ver meu filho crescer e começar a conectar as coisas em sua cabeça. Isso me deixa sem palavras”, disse ainda. Ele baseou Divertida Mente em seu relacionamento com sua filha – que fez a voz da jovem Ellie, sua xará, em Up! – Altas Aventuras.

Questionado sobre se faria um filme explicitamente cristão, Docter reconheceu que essa não é a sua praia. “Não me sinto muito confortável com isso. Mesmo se você tem uma moral em sua história, se você simplesmente a revela e a explicita, ela perde sua força. Não que estejamos tentando ser sorrateiros ou algo assim, mas somos mais capazes de afetas as pessoas se não formos tão flagrantes”, avaliou. “Para mim, a arte é a expressão de algo que não pode ser dito em termos literais. Você pode pôr isso em palavras, mas elas sempre ficam muito aquém do que você quer dizer”.

Ele reafirmou essa sua convicção em duas outras entrevistas. Em 2009, ao Christianity Today, disse que “as pessoas não gostam de receber lições. Quando elas vão ao cinema, querem ver na tela uma espécie de experiência de si mesmas. Não vão para serem ensinadas. Nesse sentido, não quero me sentir como se estivesse dando uma lição ou aplicando uma agenda”. Já em entrevista ao site The Wrap em 2015, Docter afirmou: “Sempre pensei que [a fé] é algo que é parte de quem você é e emerge no roteiro de maneira implícita”.

Fonte: Portal Sempre Família

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

WordPress Image Lightbox Plugin