Mensagens

SE ORGANIZAR PARA OS PROJETOS DA VIDA MOSTRA SABEDORIA DA NOSSA PARTE

Saber antever essas fases da vida e se organizar para elas, mostra sabedoria de nossa parte. Entendo que foi exatamente isto que Moisés orou, no Salmo 90: 12. “Ensina-nos a contar nossos dias para que alcancemos coração sábio”.  A palavra “contar” no hebraico é manah, que significa considerar, calcular em possibilidades. Ou seja, com esse número ou quantia você pode fazer o que? Qual sua possibilidade com essa disponibilidade de dias? Os vetores idade versus sabedoria são proporcionais, quanto mais vivemos, mais crescemos e podemos nos tornar mais sábios. Com a idade, já não se tem toda força de trabalho de outrora, mas se tem a sabedoria para as tomadas de decisões acertadas, o que invariavelmente leva ao sucesso. Pessoas nessa fase da vida são importantíssimas às instituições, portanto, você pode até abrir mão do trabalho de alguém que está nessa fase da vida, mas não a mentorização dela, pois elas são pessoas extremamente úteis para as tomadas de decisões de qualquer grupo ou corporação.

Este, normalmente, é o ciclo da vida. Esta é a escalada de nossas caminhadas. Enquanto os ocidentais são pessoas que em regra vivem os improvisos, os orientais são bastante precavidos e planejados. Eles trabalham muito para terem o privilégio de poder se aposentar antes dos 70 anos. Não querem viver os últimos anos de suas vidas para curtir doenças apenas. Querem poder desfrutar um pouco nessa fase. Hábito que os ocidentais normalmente não possuem. Não devemos planejar nossas vidas apenas para o trabalho. Não podemos pensar que a vida gira apenas em função de nossas realizações pessoais.

Um projeto de vida sábio é aquele permite outros entrarem nele e continuarem a desenvolvê-lo. Enquanto nos permite participar com mais mentorização, do que por meio do trabalho físico. Os mais velhos conseguem lidar com questões estressantes muito melhor, demonstrando menos ansiedade e irritabilidade.

O maior benefício de um projeto de vida ajustado e sábio é a capacidade de saber se ajustar e até se reinventar-se a cada fase da vida. Pessoas que conseguem se adaptar aos novos capítulos que a vida os apresenta são mais felizes, mais ajustados e menos rabugentos ou resmungões. Com a chegada da velhice, não precisa necessariamente chegar a infelicidade e às reclamações constantes. Pode-se sim construir uma vida prazerosa, alegre e feliz, para cada fase ou estação que se apresenta.

Além das intempéries das próximas fases, e de suas surpresas que são muitas, temos também a defasagem. Ou seja, congelamos nas fases anteriores e não nos preparamos para as próximas estações. E nessas circunstâncias, as surpresas nos maltratarão muito. Seremos bem mais felizes e menos rabugentos se pudermos nos ajustar melhor.

 

Sobre o colunista

Robson Rodovalho é físico graduado pela Universidade Federal de Goiás, da qual também foi professor. Formou-se ainda em Teologia e Filosofia, adquirindo conhecimentos que associa às suas constantes pesquisas no campo da Física Quântica. É fundador, Bispo e presidente do Ministério Sara Nossa Terra, que criou em 1992, ao lado de sua esposa, Bispa Lúcia Rodovalho. Conferencista internacional, ministra palestras sobre temas relacionados à relação entre ciência e fé, gestão, desenvolvimento pessoal e profissional, entre outros. Compositor e cantor, já lançou dois DVDs e sete CDs. Com o título “Sara Nossa Terra, Por Favor”, gravado pela Som Livre, garantiu o Disco de Ouro, em 2013. Rodovalho também é escritor. Seu ultimo livro, Rompiendo las Maldiciones Hereditarias, junta-se a uma bibliografia própria com mais de setenta obras. Entre os títulos de caréter científico, destaca-se Ciência e Fé – O Reencontro pela Física Quântica. Publicado pela editora LeYa, o título ficou por três semanas no topo da lista dos mais vendidos no país da revista Veja, logo após seu lançamento, em julho de 2014. Presidente da Rede Gênesis de TV e da Rede Sara Brasil de rádio, Rodovalho apresenta o programa Vida com Esperança, que vai ao ar diariamente para 22 capitais em sinal captado pelas TVs abertas. A transmissão também é reproduzida pelas rádios. Atuou como deputado federal por um mandato (2007-2010), deixando relevante legado para a sociedade. Entre as suas contribuições, destacam-se as bases da legislação que concedeu isenção fiscal ao microimportador (“sacoleiros”), além da lei que reconhece eventos gospel como culturais, concedendo-lhes os benefícios da Lei Rouanet que garantem financiamento mediante renúncia fiscal. Entre as homenagens que recebeu estão a condecoração como Destaque Nacional da Frente Parlamentar Evangélica (2004), Honra ao Mérito – Comissão Nacional de Defesa dos Direitos Humanos (2009) e Medalha do Mérito Legislativo (2013).

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

WordPress Image Lightbox Plugin